“A gente queria atingir uma outra cara, porque a gente é velho tem que ser terceira idade. Ser teatro da terceira idade, não existe isso teatro não tem idade. a gente entrou na questão do teatro. Terceira idade me incomoda muito, porque é termo que surge na década de 60, que você tem uma ideia assistencialista com os idosos. A gente não cria isso, temos uma mescla de faixas etárias, o teatro é de fases, nós também…Aqui nessa casa a gente pode tudo, a gente pode ser louco, a ideia de ser uma casa libertária… Como quando fizemos Londrina Paraíso que era as histórias de Londrina contada pelas costureiras… fomos até para Alemanha em 1999 como esse trabalho” (Rique Bernardi). Trecho de uma fala do encenador Rique no vídeo com entrevista com grupo Casa das Fases.

Veja o vídeo na íntegra: http://vimeo.com/30255160

Sim. Ele fez boa passagem (…)

Paisagem incensada, bem decorada, com aquele lindo carrinho-bar de madeira é a casa das fases, que eles, elas, as fases todas foram construindo dia a dia desde 86, se não me falha essa memória que vos fala, e a memória sempre esquece e lembra feito gangorra…Verônica, Carmen, Jandira e Fabricio estavam nos esperando com uma mesa linda de café da tarde, naquele domingão perdido em boas lembranças do ano de 2011. A proposta era uma entrevista gravada em vídeo para o projeto da Funarte sobre Memórias do Teatro Londrinense que foi e está disponibilizada no site do Teatro de Garagem. Jobert Castro e Túlio Frigeri da RGB7 Cinema chegaram antes, estavam animados com a promessa do café, depois de muitos domingos de labuta na captação de entrevistas de 34 artistas do teatro pé vermeio.

Eu e Natália Turini fomos e voltamos de busão.E como estávamos extasiados de conhecer o trabalho de muitas fases na volta né Nati?! A tarde e início da noite foi muito prazerosa, deixou saudades… que bom!! quantas conversas e silêncios, e muito mais do que uma hora de gravação… Eu e Natália ficamos depois da gravação oficial, e nos ‘deliramos’ com os arquivos bem guardados pelo Fabricio, suas histórias do grupo, fotos, jornais antigos, cartazes de peças, arquivos do Delta, do Proteu…a conversa no jardim, na rede, os vestidos das peças, os incensos povoando a aura do lugar, …

A força do pensamento do Rique, e a sua grandeza em buscar as histórias dos ancestrais, como peças encenadas por ele sob a visão libertadora das costureiras, putas, mães de santo, dançarinas, travestis, crianças, das mães viúvas…enfim por pessoas e suas potências de desejo e memória. E quantos enigmas nos objetos de decoração, no jardim bem cuidado me ficam desse dia… Fico agradecido por esse aprendizado Rique e toda Casa das Fases. Gratidão! Força a todos!

Os amigos e amigas de mais tempo como Thais D’Abronzo postando foto de Rique feita por Fernanda Magalhães sintetizam o sentimento de perda para a vida, o afeto cotidiano, e pro teatro de londrina nos seus facebooks pessoais: ‘a tua falta vai ser grande… do seu tamanho de urso’; e Bocão, palhaço dos bons, camarada do Picolino, outra grande persona com passagem celebrada pelo mundão de cá, dá um último recado: ‘Descanse Rique Bernardi. Parabéns por sua passagem por aqui.’. Me sinto contemplado pelas palavras de carinho dos artistas por Rique, e quem quiser ver algumas ideias do ‘tamanho de urso’ que foi o Rique e a Casa das Fases dá uma olhadinha no vídeo de 2011. Evoé Nise da Silveira! Evoé José Teodoro! Evoé Rique Bernardi!!

Alguns links sobre o trabalho do Rique e da Casa:

https://www.facebook.com/casadasfases

http://casadasfases.wordpress.com/