Cia. Teatro de Garagem apresenta montagem teatral de rua ‘Poeta que Pariu’

Na sexta às 19hs (dia 8/maio) no Centro de Londrina na Concha Acústica, dentro da programação da tradicional Batalha de Rimas. No domingo (10/maio), às 17hs, no evento de hip hop do Projeto MH2 no Vista Bela. 

A Cia. Teatro de Garagem abre nesta sexta às 19hs na Concha Acústica a temporada de maio do espetáculo independente Poeta que Pariu. Na sequencia rola a tradicional Batalha de Rimas de toda sexta-feira na Concha sob a coordenação do rapper WMc.

No domingo, dentro da programação evento de hip hop do projeto cultural MH2 o espetáculo volta a ser apresentado às 17hs na quadra da Creche do Vista Bela — Zona Norte de Londrina. Para comemorar o dia das mães o projeto MH2 coordenado por Leandro Palmerah traz 3 shows musicais (Familia IML, João Carvalho e Pira Pura) pra celebrar a familia hip hop Zona Norte — Vista Bela– Londrina. Ainda em maio, nos dias 29 e 30, o espetáculo Poeta que Pariu participará do projeto Londrina em Cena do SESC Cadeião. Fiquem ligados!

Poeta que Pariu é fruto de um trabalho de composição cênico-musical que a Cia. Teatro de Garagem labora desde 2013, e que teve como mote primeiro as canções autorais de integrantes do grupo, e algumas intervenções teatrais surgidas no evento Não Estacione: Sarau na Garagem. A partir de um estudo cênico dessas músicas a dramaturgia do espetáculo foi se construindo e se ampliando sob influências múltiplas, tais como: observação de moradores de rua, poesias de grandes poetas/poetisas consagrados e de poetas/poetisas marginais do país, noticiais de jornais locais sobre intolerâncias, e vivências da militância do teatro de rua e da diversidade sexual em Londrina e no Brasil.

O poeta Pariu e nem viu quem coloriu. A policia tentou barrar o parido, mas as cores já haviam se dissipado por toda cidade. Sem seguir os antigos, mas sob o fundamento do tambô, a zuada já tá na rua, que é do povo e ninguém pariu. Nós do teatro cantamos com o pé essa narrativa que é viva por meio desse bando de gente que come poesia para arrotar canção. E nessa vida besta o corpo que faz festa concede as estes poetas caminhos a trilhar. E o sol com arco-íris a de brilhar mais uma vez em meio a fumaça das bombas que insistem em explodir. Quem tem fome de poesia bora chegar para oiâ! A Baronesa estará lá mais bela que framboesa, junte-se a roda que o teatro vai começar.

A montagem teatral ‘Poeta que Pariu’ tem criação coletiva do Teatro de Garagem, e o elenco do grupo é formado por: Danilo Lagoeiro, Everton Bonfim, Herbert Proença, Melissa Campos, Pedro Varanese e Rafael Avansini,além do técnico de som: Rafael Rosa. O apoio cultural é da Vila Cultural ALMA Brasil, do Centro Esportivo de Capoeira Angola (CECA)-Londrina, da produtora Cor da Terra e do grupo Elity Trans.

Contatos: Danilo Lagoeiro: 9117 0670 / 3304–4439 / teatrodegaragem@gmail.com

Ficha Técnica

Elenco: Danilo Lagoeiro, Everton Bonfim, Herbert Proença, Melissa Campos, Pedro José e Rafael Avansini.

Técnico de Som: Rafael Rosa

Figurino, Cenário e Direção: Criação Coletiva.

Dramaturgia: Texto criado pelo grupo, com colagens de textos de André Abujamra e Jô Bilac, bem como fragmentos do Manifesto da Antropofagia Periférica, de Sérgio Vaz, além de fragmentos de textos de Bashô e Carolina Maria de Jesus.


Músicas

“Tambô Zuô”: Música popular de domínio público

“Cinza Patrimônio Público”: Música e letra de Herbert Proença e Rafael Avansini

“Poeta da Fome”: Música e letra de Pedro José

“A Rua é do Povo”: Música e letra de Everton Bonfim

“Áudios Testemunhos” - Teatro de Garagem

Design Gráfico: Daniele Stegmann e Isis Peixoto

Fotografia: Jaqueline Vieira